terça-feira, 13 de outubro de 2015

SERENATA




Agora pouco estava me lembrando das serenatas que fiz e pra quem fiz. Me lembrei das gafes, das janelas erradas, do juizado de menor levando o violão- Eu tinha 12 anos , um parceiro de seresta era o Gordo Moraes, a cidade era Itapira. Onde já se viu, 2 moleques, às vezes 3 , saindo de madrugada pra fazer serenata? As meninas deixavam doces no beiral da janela. As vezes dava errado também, pois tinha vizinho que não gostava do barulho, não sei se tocávamos e cantávamos mal, ou se eles tinham que acordar cedo no dia seguinte. Ah, corremos de cachorro também...

Eis uma delas...First of May
https://www.youtube.com/watch?v=1gewTWM6fH0 


Ps. Algumas vezes os *dimaior* me pediam emprestado lá em casa pra eu ir tocar violão para eles em serenatas, as mulheres pra quem eu tocava eu não sei quem eram...*eram idosas para mim* (pensando, elas deviam ter 22 a 25 anos) o dobro da minha idade.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Foto do começo dos anos 80 ( Festival de Música em Itapira)
Beto Passarela- Wardinho, Bitenka, Gustavo e eu/Kalau


O Parque Juca Mulato

Não me lembro quando foi a primeira vez que fui passear no parque, mas me lembro de caminhar ali na beira do precipício, aquilo era enorme. As sombras eram dos birizeiros, o chão era cheio de sementes, haviam também pés de jatobá. Eu vi a imensidão, a praça da arvore era no infinito e hoje está tão perto. Aquele precipício se tornou um morro fácil de escalar- Quantas vezes não fui até o Cruzeiro, hoje fechado por grades- ficava ali olhando o horizonte e às vezes era possível ouvir gritos dos pacientes do bairral. Uma vez eu vi alguns internos correndo pela rua , haviam fugido de lá, eram os chamados "loucos" confesso que tinha um certo receio de passar ali perto quando criança. Na época do primário no Julio Mesquita era comum depois da aula dar uma andada por ali. Tinha o posto de puericultura ali em frente , um prédio interessante, não sei se ainda existe. No meio do parque haviam muitas arvores e mangueiras, também me lembro de apanhar mangas por lá, bons tempos de quem teve a chance de passear tranquilo sem sequer pensar em ser incomodado por algum bandidinho vagabundo. Compus uma música para homenagear o parque- é só clicar no link para ouvir. Algumas pessoas contribuíram com fotos, os nomes estão ao lado direito das imagens. 

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

OS MICRONS


Pra começar a falar sobre os Microns eu preciso voltar ao primeiro ano escolar na escola Júlio Mesquita em 1959/1960, foi quando comecei a  estudar, aprender a ler , escrever e aprender a andar sozinho pela cidade- Era um caminho curto , umas 7 quadras, da rua do Pescador até o Julio Mesquita,  mas quando se tem 1.30 de estatura , tudo fica muito mais longo. Foi ali que comecei a aprender a ser gente. Foi ali que conheci amigos que conservo até hoje. Minha primeira professora foi dona Lucia Barreto. Sempre fui bom aluno, nunca fui CDF, mas sempre fui de prestar atenção na aula para não precisar estudar  em casa e sempre me dei bem me portando assim. Morria de medo quando via o Sr Hiládio andando pelos corredores da escola, era sinal que íamos tomar algum tipo de vacina ou injeção. BCG todos tiravam de  letra, mas a famosa antitetânica, essa era de doer, mas não tinha jeito, tínhamos que ser  vacinados (ainda bem) . As cadeiras, ou melhor, carteiras , como eram chamadas eram ocupadas por 2 alunos e meu primeiro companheiro de carteira foi um dos Microns , o Gustavo, Luis Gustavo Giovelli, um moleque ruívo que entortava a boca quando escrevia ( ele não se recorda disso, mas eu sim) Nos tornamos grandes amigos  e sempre caíamos na mesma classe até chegarmos no IESO (ginásio) fiz mais amigos ainda e  muitos deles já vinham do Júlio Mesquita. No ginásio é que pintam as meninas na vida dos meninos e na minha vida não foi diferente, é ali que começam os primeiros namoricos.
Em 1965, eu tocava com os REBELDES,  Guto Piva, Eu, Picão Moisés , Keko Piva,  Mano Colferai Fernando Riberti (ordem da foto) Foi meu primeiro conjunto, tinha 12 anos- Fazíamos sucesso no programa de rádio aos domimgos ao vivo as 11 da manhã transmitido direitamente da Sociedade Operária, sob o comando de Dácio Clemente. Éramos também ponto alto na Barraca do Lopes na festa de maio.
Foto cedida por Fernando Riberti
Creio que tenha  eu tocado 1 ano e pouco com eles , até junho ou julho de 1966.  A partir dai comecei a me encontrar novamente com o Gustavo Giovelli que havia voltado do Seminário em Rio Claro, eu acho e fazíamos um duo, ensaiávamos quase todos os dias na sua casa, ao lado do largo do Riachuelo- Era sempre uma festa, regada a água com gás e groselha  da venda do Hortêncio Cavenaghi -  Era comum no começo de noite  ficarmos tocando violão ali no largo sempre rodeado da moçadinha que vinha  de vários cantos da cidade. As meninas do riozinho, do tola cavalo, do são benedito, não vou citar nomes porque posso esquecer de alguns, mas quem ler e esteve por lá, certamente se lembrará. Em um momento montamos um conjunto que deve ter durado um mês, tocamos uma vez na casa da Selma , os Moicanos, eu Gustavo Giovelli e Aquiles Miranda na bateria. Passada essa euforia dos Moicanos, surge ali no Riachuelo morando com sua avó, Waldemar Razzo Filho, não demorou pra termos mais um elemento na banda, eu e Gustavo tocando guitarra e o Wardê no contrabaixo. Eu ainda morava na rua do pescador e sempre me encontrava com o Guinesi ali em frente a caixa econômica , ele ia na casa da avó e tocávamos violão , acho que só tinha uma música no repertório Blue Star. Queria ele no conjunto, mas não teria lugar pra mais uma guitarra, então fiz a proposta se ele queria tocar bateria, ele nunca havia sentado em uma bateria, ele concordou. Não tínhamos bateria, arrumamos uma caixa de bateria, as baquetas no incio eram 2 pentes, isso mesmo , pentes, que pegamos da mãe do Gustavo, a saudosa dona Ivonete, que tinha um salão de cabeleireiro ali na garagem da casa dela. Um tempo depois um tio do Guinesi  que morava em uma cidade vizinha tinha uma bateria e a emprestou pra gente - O Guinesi sentou pela primeira vez em uma bateria e tocou como se já tivesse estudado há anos- quem viu algum dia ele tocando sabe o QUANTO ele toca. Então estava formado os Microns
Guinesi, Eu, Waldemar e Gustavo - Foto tirada em  1967 na barraca do Lions durante a festa de maio.
Não demorou pra gente começar a fazer sucesso na cidade. Tocávamos nos bailinhos da dona Cida Giovelli em prol formatura, jantares do Lions, Grêmio Estudantil, aniversários de 15 anos e outros, ah, até em um casamento japonês nos tocamos. Nosso repertório era basicamente de músicas estrangeiras.Tínhamos um empresário , mais uma criança  na banda, Gordo Moraes, esse mesmo, primo do Guinesi e virou empresário, ensaiávamos no Cine Rádio que era do avô do Gordo. Em 68 entrou mais uma pessoa no conjunto , Nando Sabag que veio a ser o cantor do conjunto, junto com o Waldemar. Nosso repertório cresceu com a chegada dele, seu irmão ,João Law e Adilson Bittar tiravam as letras ouvindo  a rádio BBC de Londres, depois conseguíamos os discos nos reuníamos na casa do Nando e tirávamos as músicas na vitrola enorme Telefunken
 e montávamos os repertório.  Algumas das músicas- Started a Joke, F.comme Femme, The End, Atlantis, Time is on my side, Georgia on my mind.




O ínicio na música

Comecei a estudar violão com 10 ou 11 anos, tudo porque meu vizinho, Fernando Fernandes, ganhou um violão e eu quis um também. Não sei sei ele estudou- Era duro ir duas vezes por semana ter aulas com o professor Ramonda , além de relojoeiro, ele dava aulas de música- Eu detestava estudar música, eu queria tocar violão, era muito chato estudar solfejo, escrever notas no caderno pautado , levar o violão na aula e não tirar da capa, era frustrante. Consegui ficar uns 6 meses e desisti , não que ele era um mau professor, era muito bom, sço que eu queria tocar.Sai e fui estudar com Zizinha Guinesi, filha do seu Bruno, sapateiro – Ai sim, era aula prática , três aulas depois eu já sabia tocar alguma coisa e seis meses depois ela me encaminhou ao seu irmão o grande violonista e pouco lembrando nos jornais da cidade, Milton Guinesi, além de um brilhante músico era um professor maravilhoso e 3 meses com ele eu já estava tocando muitas músicas e havia aprendido a tirar músicas de ouvido. Ali fiquei mais próximo do filho dele o Luis Guinesi, já tinha visto ele tocar violão na casa da tia Zizinha. Isso mesmo, violão ele ainda não era baterista, ainda, ainda. Era comum a gente se reunir em frente a caixa econômica, na rua Francisco Glicério e ficar tocando de noite, jogando bola, brincando de pique, queimada, tec... . Nosso repertório devia ter umas 5 músicas. Ali na rua brincávamos até tarde, ou até quando algum vizinho reclamasse do barulho.  Aquele quarteirão era uma festa todas as noites...

Milton Guinesi -Pouco lembrado nos jornais da cidade - os colunistas mal sabem o tanto de músicos que este MÚSICO formou na cidade de Itapira.  Ainda está em tempo do reconhecimento.

foto extraída do álbum do FB do Humberto Butti,

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Sim ou não?

Eu morava perto da praça da cidade, Itapira. Minha rua se chamava , Embaixador Pedro de Toledo, mas era conhecida pela rua do pescador. Minha casa  ficava no meio da quadra . Se eu quisesse ir até a praça no bar Central ou na igreja era preciso subir uma rua e duas quadras depois  eu estava na praça  com sua igreja matriz.  Eu vi a igreja antiga ser demolida e virar matriz, preferia a antiga. Ah, ali perto tinha um coreto , aqueles coretos de cidade pequena, mas mudaram também , fizeram um moderno,  e eu gostava mais do antigo. Tinha uma fonte, é,  uma fonte luminosa, linda, de noite era uma atração e tanto. Esta fonte não substituiram  por uma nova, destruíram-na. Algum político que deve ter levado o fora de uma namorada quando jovem na frente da fonte, deve ter mandado destruir pra se vingar.   Quando eu tinha uns 10 ou 11 anos durante um período , a  cada vez que eu subia por aquela rua destino à praça eu chegava lá em cima com o coração mais acelerado do que normalmente deveria estar, perna bamba , mas suspirando; era o primeiro sintoma de paixão- E  na única chance que eu tive em dizer, vamos namorar , ela passou mal em uma festa durante um almoço de ano novo e  a minha chance gorou.  Será que ela teria dito sim?




domingo, 18 de julho de 2010

Bebum sincero

Esse sim, foi sincero, se vai pedir dinheiro pra beber, assume :)) É muito comum encontrar pessoas pelas ruas do EUA com cartazes assim- Esse foi em Las Vegas e não foi incomodado pelas autoridades, pelo menos nesse dia. Essa foto me custou uns cents. hehehe

quinta-feira, 1 de julho de 2010

domingo, 3 de maio de 2009

Da minha janela


Outro dia a lua resolveu aparecer bem na frente da minha janela.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Indignado a vida toda?!


Quando será !! Quando será que os políticos sérios terão a coragem de acabar com os maus políticos? Que isso!!??!! Daqui a pouco será tudo farinha do mesmo saco! QUE SACO!!!!

sexta-feira, 6 de março de 2009

Um lado ruim e um lado bom de uma viagem


Num dos posts abaixo * VIAJAR* eu perdi uma câmera de vídeo , ops, perdi não, o maldito motorista do táxi Jaime Vargas me ROUBOU! Nesse outro caso de viagem aconteceu um fato que começou desagradável e 15 minutos depois passou pra agradável. Em uma viagem de 35 dias pela Europa, quando se chega nos últimos dias dela, fica uma sensação mista de pena que está acabando e que bom, vou dormir na minha cama. Vou ter mais portas em casa, corredor, cozinha, coisa que a gente não desfruta em hotel. Bem, nessa viagem o último dia era Paris , 23.40 seria o vôo, o check-in até 3 horas antes , limite mínimo 1 hora e 20- Chegamos com 1 hora e quarenta e para nossa surpresa , estávamos em um OVERBOOKING . Isso significava que mesmo com nossas passagens marcadas, assentos marcados, ficaríamos de fora do vôo. Bom, no guichê a fila era de estressados, exaltados, pessoas gritando, chorando. Muitos tinham compromisso no dia seguinte e não podiam perder o vôo, muitos queriam a todo custo voltar pra casa. Chega nossa vez no guichê, eu ainda estava atordoado com a notícia, porque eu estava preparado pra voltar pra casa, daí vem na cabeça, será um aviso, o avião vai cair? Etc... e etc... Na fila podia se ouvir todas as línguas, parecia uma multidão discutindo. Eu já nem pensava mais em português, porque também tem um agravante nessas viagens , ex: Itália 10 dias ouvindo italiano o tempo todo , depois França mais 15 dias , dá-lhe francês e por fim 10 dias falando e ouvindo inglês, chega uma hora que vc ouve inglês, pensa em italiano, traduz pro francês e fala em português e foi assim. A recepcionista explica em inglês em um guichê francês; olha, aconteceu isso, isso, isso e vocês não poderão embarcar. Mas como, e esse meu lugar aqui na passagem? Vocês venderam pra outra pessoa? É o seguinte para compensar todo esse transtorno, a Air- France tem essa proposta pra vocês: Vocês embarcam amanhã no mesmo horário e ela paga estadia , comida aqui em Paris e mais 800 euros pra cada passageiro ou uma passagem ida e volta , Brasil, Paris, pra ser usada no período de 1 ano. Aceitam? Olhamos um pro outro e : CLARO! Fomos pro hotel ao lado do aeroporto, descansamos e no dia seguinte embarcamos com 800 euros cada um a mais na conta. Tem gente que perde vôo, a gente ganhou...


sábado, 21 de fevereiro de 2009

Minha primeira letra.

Eu sempre fui bom aluno, mas quando se ganha uma guitarra, parece que o QI baixa e a música sobe. Em 1966 eu fiquei pra recuperação em matemática, ou seja, época especial como era chamada. Tive aulas particulares dessa matéria. Não gostava muito de ir à aulas, até um dia olhar do outro lado da avenida e ver a garota pra quem essas palavras simples foram escritas. Depois dessa visão era um prazer ir à aula que pra mim podia ter de segunda a segunda. E foi assim.
A primeira letra que escrevi dedicada a uma garota, ou as primeiras palavras que rimei foram essas .Usando escondido a máquina de escrever do pai de um grande amigo meu. Escondido , pois ele não gostava que nós, cuidadosos pré- adolescentes detonássemos com a fita , preta e vermelha que fazia a maior sujeira. Há pouco tempo achei o poema e scaneei . Observem a cor do papel. Isso foi escrito em 1966 - Meus últimos anos na minha cidade natal/Itapira. Como é dificil deixar pra trás um monte de coisas, recordaçoes, amigos,ex- namorada, músicas tudo isso quando se tem 14 anos. Esse documento histórico até gerou gozação de tios e primos, quando por acaso esqueci no bolso de uma calça e eles acharam e leram a dedicatória. As, vezes parentes são chatos nesse aspecto, bom águas passadas não movem moinho.


SE VOCE ME DESSE BOLA

Se voceê me desse bola
Eu seria no recreio o garoto mais feliz da escola.
Iria gritando até a cantina me veê uma coca cola

Ate ter dor no queixo e na boca
De tanto rir de alegria
Ia ser bacana namorar você mesmo que apenas por um dia.

Serei o melhor aluno da escola
Se voceê der essa bola pra mim
Pra provar que digo a verdade
Te mostrarei meu boletim

Olhe minhas notas baixas
por falta de voceê comigo
Se estiver do meu ladinho
Serei o melhor aluno vai ver como consigo.

Essa era uma das músicas da época ( click no link)
A música preferida

terça-feira, 4 de novembro de 2008

VIAJAR

Viajar é sempre muito bom. Eu gosto de viajar desde que o tempo de estadia seja proporcional à distãncia. Ex: SP/Bertioga 1 hora de estrada, mínimo 3 a 4 dias- Europa 13 hs/ minimo 25 dias / EUA= 10 hs / 18 dias e foi assim minha penúltima viagem - Sempre relutei em ir aos EUA, acho que não tem nada a ver comigo, a não ser para o consumo de tecnologia (que agora percebi que é melhor comprar tudo pela NET) vide: http://www.ebay.com . Pois, é fui para Orlando, Disney, belos resorts, sol de 30 graus, muita gente gorda, bem gorda não, muita gente obesa, com seus 150 quilos pra cima, pai mãe e filho-fast food, e dá-lhe nuggets de frango e uma salada sem gosto, mas enfim a gente tem que se alimentar. E aqueles copos enormes de refrigerante com gosto de terra, Sprite, fanta, coca zero , ufa!! Ah, e tudo tem refil. Eu com meus 1.80 e 83 quilos, nunca consegui beber aquele copão todo, imagine então o refil! A viagem foi show- Nova York é linda de noite e lotada de gente de dia, excuse me, sorry, excuse, sorry - Vi Rei leão na Broadway, nesse quesito eles ganham do Brasil, produção, mas perdem na comida, na bebida, nas mulheres e vai por aí. Tb não temos aquele monte de armênios com suas lojas de produtos eletrônicos entupindo as vitrines e cobrando o olho da cara e enganando turistas. Começa assim :
Qto custa, ops, how much? Where you from? Brasil. Brasil? Oh, Brasil, lindo , San Paolo?
Sim São Paulo- Nice City- Daí vai oferecendo o produto que custa $ 300 com as taxas e qdo vc diz não o preço vai caindo até $ 150 em um produto que não vale $ 70 – Ah, e se você compra uma TV colorida, leva , e em casa nota que foi enganado, a tv é preto e branco, nessas alturas você se &_*@!$(*_ porque eles não devolvem o dinheiro, e só trocam por outra mercadoria que é a mesma *&@_!&&$*&_@$ e você sai (*@*@$*(+@ da loja- Graças a Deus não aconteceu comigo, mas presenciei uma cena assim com um boliviano ou chileno, ou quem sabe uruguaio ou paraguaio. NY estava fria durante os 5 dias que estivemos por lá entre 10 e 12 graus. O hotel era super bem localizado 41 com a Time Square, ou 7 avenue no coração dos teatros, no buxixo – O quarto era pequeno , mas como é apenas pra dormir , desde que seja limpo e confortável, valia- No último dia fomos ver a estátua da liberdade que eu achava que era branca, mas é verde – uma fila de 2 horas pra pegar o barco que leva a gente até a ilha , um passeio pelas águas de 20 minutos e se chega na estátua- fiquei meio frustrado, achei que ela era maior que a torre de Pisa, mas acho que não é, mas valeu conhecê-la e dizer um oi , tirar umas fotos, fazer uns takes . Agora chega a parte chata, pedi a recepção do hotel que nos chamasse um táxi, pois era sexta, horário do rush e pra conseguir um yellow cab vazio só se o carro estiver quebrado, e tb julguei que um táxi de confiança do hotel nos levaria com mais segurança ao aeroporto e evitaríamos pegar um motorista chinês de mal humor, pq isso lá ta cheio e andar de táxi em NY não é caro. Pois, é , chega uma Van com toda estrutura, preta, vidros insulfimado, sem aquela lanterna em cima *TÁXI* A empresa trabalhava com o hotel a mais de 20 anos –
Deborah Car Services Inc. 3602 19th Avenue Long Island City, NY 11105 Tel: 718-726-0600
E lá vamos nós para o aeroporto, uns 40 minutos de viagem, ao custo de $ 65 , preço fechado, em um táxi comum sairia em torno de $ 45, mas, segurança não tem preço. Chegamos ao aeroporto, descarregamos as malas e o táxi saiu. Ele estava a uns 100 metros eu notei que minha filmadora (veja imagem) ela estava assim mesmo, no tripé.
havia ficado no táxi, corri, mas não consegui alcançá-lo – Dois minutos depois eu estava falando pelo telefone com o hotel comunicando o fato. A recepcionista pediu que eu retornasse a ligação em 5 minutos que ela iria falar com o motorista via celular. Nem esperei os 5 minutos, 3 minutos depois eu liguei e o motorista disse a ela que: não havia nada no carro e que eu devia ter deixado a filmadora cair no chão aeroporto. Essa filmadora discretíssima no tripé- Conclusão fui roubado! Fiz ocorrência no aeroporto, mas teria que ir com a polícia até Manhatann, daí eu perderia o vôo - E o que mais dói são os 90 minutos de filmagem de NY que estavam na filmadora. Depois nós somos 3º mundo!!! O nome do motorista Jaime Vargas!!!!

Se você quiser comprar produtos eletrônicos, fuja desses picaretas de lodjinhas.

Abaixo links
de lojas confiáveis- BH Photos , fica na 34, entre a 7
º e 8º avenidas
BH PHOTOS/

J&R Computers

A J&R eu não sei direito, mas se não me engano é próximo a Wall Street


quinta-feira, 28 de agosto de 2008

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Violino/O Bambino

Minha primeira experiência em fazer verniz em um violino- Uma terapia deliciosa. O som dele tb ficou bem interessante.

Se existe fórmula eu não sei, só sei que sei...

quinta-feira, 24 de abril de 2008

As Aventuras de Lavico

https://www.youtube.com/channel/UCnHI4lAE8-Ndw2-j_nML7nQ- Se você tiver curiosidade , é só clicar no link.
São 60 curtas- Poucos amigos prestigiam nossos filmes!É muito estranho... As vezes posto o link 2 ou 3 visitam, não compartilham... :0((

quarta-feira, 16 de abril de 2008

SIMCERAMANTE *em cartaz*

Em cartaz no teatro Imprensa/Vitrine- Rua: Jaceguai 400- Bela Vista

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Deixar de ser fundinho musical!!!

Quando será que os teatros irão respeitar os compositores-colocando um som decente - se não decente, razoável com as ligações de caixas do jeito que tem que ser. A mesa de som com os knobs em ordem- as entradas e saídas com os contatos intactos. Os aparelhos de CDs ou DVDs lendo os CDs sem falhar... Será que um dia isso ocorrerá? Ah, e a trilha sonora não ser considerada apenas fundo musical e blá, blá, blá, blá, blá...
Hoje uma amiga me disse assim: às vezes me sinto tola, uma boba , cumpro todas as minhas obrigaçoes, contratos de boca, encontros, chego na hora certa , faço tudo correto e um monte de picaretas entram no meu caminho, tiram proveito e abandonam o barco. Acabei ficando com isso na cabeça e entendendo o que ela sentia. Será que o meu relógio é igual ao dela, signo, karma? Cada dia é um aprendizado!!

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Uma rádio de música "CLÁSSICA" de primeira! A próposito, Clássico é uma período músical que veio depois do barroco a antes do romântico. Da próxima vez já podem dizer : Eu gosto de música erudita..."ERUDITA" RÁDIO FRANCESA

Crítica ou crítica?

Sempre que leio uma crítica de teatro ou cinema, entra por um olho e sai por outro! Tem críticos que são donos da verdade ou o público é mentiroso! Cansei de ler crítico metendo o pau em peças que o público "normal" adorou! Conceitos...conceitos! Durante toda minha trajetória como compositor de trilhas para teatro nunca recebi uma crítica ruim, ou melhor as poucas que recebi sempre foram elogiosas, isso na mídia escrita, pois de bocas ouvi e ouço sempre elogios . Conversando com uma amiga, questionei: reparou que ,quando os críticos escrevem matérias, é como se a LUZ (designer de Luz) ou TRILHA - música incidental não existissem? Nem quero aqui ficar defendendo meu lado, mas que em 99% das peças existem TRILHA e LUZ, ah, isso existe!!!!!!

Sempre que me vejo na expectativa da cortina se abrir, tenho o sentimento de “vim pra gostar!” Busco algum valor em tudo: se não no texto, direção ou interpretação dos atores, pelo menos no cenário, figurino ou até mesmo na caracterização. (texto em vermelho e com mais algumas cores ilustrativas ,extraido de uma crítica,que até concordo com o que ele escreveu nela toda, mas nesse trecho verde esperança onde a crítica começa ,não!!!

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

ASSOVIO


Mais uma peça estreou em SP- ASSOVIO - é meu sexto trabalho para o teatro em 2007
Ouça uma das músicas composta para a peça   http://www.reverbnation.com/open_graph/song/3688886

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Mais uma peça

Daqui a pouco estréia mais uma peça que a trilha foi composta por mim. É a quinta do ano e ainda tenho mais 2 para compor. Essa particularmente tem um sabor diferente - a autora e atriz , Patricia Maêz eu a conheci ainda menor de idade , tocamos violino em várias Orquestras e grupos de câmara juntos , hoje é atriz, gostei do texto e da atuação, além de ser uma pessoa incrível do bem é uma mulher linda. Espero que tenha longa jornada e muito sucesso é seu primeiro texto em cartaz. Centro Cultural São Paulo de sexta a domingo 21 hs. Os ratos soltos na casa.

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Curioso2

Já postei um texto com o mesmo assunto- aí, esse :
http://kalaumusico.blogspot.com/2007/06/no-circo.html - Meu amigo não contou quem era o *dito cujo* E não é que acontece mesmo! Ontem lendo a Vejinha , li o anúncio de uma peça em cartaz e peça com patrocínio e tudo, coisa fina *hehehe* e o dono da festa não lembrou meu nome, nem sequer me convidou pra assistir! Será que ficou com vergonha! Bem, também, se eu eu vivesse só de teatro , talvez quem sabe nem teria grana pra pagar provedor, conexão, computador decente...

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Isso foi em 2004

O que você faria se um médico que fosse te operar, lhe dissesse assim?: Olha, eu estou inseguro para te operar!!!! Isso mesmo! Aconteceu comigo. Desde o começo do ano eu estava fazendo check-up e exames para fazer uma cirurgia de hérnia. Tenho convênio médico com vários hospitais e um deles é o da Beneficiência Portuguesa. Escolhi este por ser perto de casa e um bom hospital. Bom , o primeiro médico que fiz consulta quis operar de cara, mas achei ele um tanto displicente, nem ao menos me pediu um ultrasom do local, pois sei que se pede no meu caso e além disso quis me cobrar a cirurgia, sendo que eu estava ali pelo meu convênio médico. Resolvi consultar outro em uma clinica ali perto do hospital, tb conveniada e poderia ser operado na B.P- Bom, fiz a consulta e o médico (01) Dr. P E P J- me disse, olha seu caso necessita de operação, só que estarei saindo de licença por uns 30 dias e não poderei te atender, mas vc pode marcar com esse meu colega (dr02) Dr. R A F- que é dessa mesma clínica- mando todos os dados pra ele e ele te opera. Só que ele volta a trabalhar daqui a uns 15 dias pois passou por uma cirurgia, ok? Não tinha mais o que fazer a não ser esperar. Ok, vou eu marcar com o colega. Vinte dias depois, isso já era uns 10 dias antes do carnaval e eu achando que iria estar na praia já operado curtindo o mar , carnaval, peixinho frito, água salgada...Vi meus planos irem por água abaixo. Vinte dias depois ,estou no colega, que me examina e diz : O seu caso precisa de cirurgia e urgente , você corre risco de vida. Claro disse, eu. Vamos lá então. A essa altura eu já estava com todos exames pré operatório nas mãos e podia entrar no bisturi no dia seguinte. Bem, esse médico pede mais uns exames e diz : Volte aqui na semana que vem e marcaremos a cirurgia. Volto eu pra casa feliz, pois havia achado uma solução. Fiz os outros exames e no dia marcado estou lá , sou atendido pelo Dr 02 que me diz: Olha , infelizmente eu não poderei te operar , porque eu ainda não me recuperei da minha cirurgia e não estou podendo ficar em pé mais que 3 horas e sua operação pode levar esse tempo, mas o Dr 01 voltou da licença e irá fazer sua cirurgia, pode vir aqui dia *X* que ele te atende e marcará a operação. Bom, sai de lá frustradíssimo, pois estava há mais de 2 meses atrás disso e nada. Lá se foi o carnaval e lá vou eu novamente no Dr 01 - Ele me atende, me examina novamente, vê todos exames, diz que minha saúde está ótima e que posso ser operado, só que ele está inseguro em me operar!!!!!!!!! Eu olho pra cara dele e digo: Inseguro com o quê??? É que sua hérnia está grande , o pós operatório é muito dolorido, uma semana de internação- Mas Dr, quem vai ter esse pós operatório sou eu. Olha, infelizmente não vai dar. Peguei os exames e sai de lá PDV- Pra resumir: Fui a um médico particular (Dr. Daniel G. Aranha Campos) que minha irmã conhecia. Fui muito bem atendido, ele marcou a cirurgia pra uma semana depois , que foi dia 17/03- A cirurgia demorou 2hs30mins- uma corte de 17 cms, abaixo da cintura, não sofri nada durante a operação a cirurgia correu tudo bem, sai do hospital no dia seguinte 18/03- estou em casa me recuperando , repousando e quem sabe daqui a 15 dias posso sair pra rua e uns 40 dias, fazendo exercício, etc e tal.- Fui operado no hospital Bandeirantes (que achei um ótimo hospital) fazia parte do meu convênio, mas tive que pagar a cirurgia. Ainda bem que sai daqueles açougueiros que, se pra uma hérnia eles se sentem inseguros, imagine uma operação mais complicada. E os drs 01& 02 - são gastros e dão aula em escolas de medicina. Médicos formados há pelo menos 25 anos- Será que faltaram nestas aulas? (pesquisa na NET) O gastroenterologista Dr 01 é médico-cirurgião do Hospital das Clínicas e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

sábado, 18 de agosto de 2007

Corujando

Quando eu tinha uns 18 anos, faz tempo!!Claro que não existia NET, mas existia rádio amador, claro que eu não tinha, o que eu ganhava mal dava pra pagar os gastos corriqueiros. Nos anos 70 eu estudei eletrônica pra poder construir os pedais de efeito e ligar na guitarra, já que pedais prontos, eram importados e CAROS pra &)&&&_@#*#&# - dai um dia resolvi montar um rádio amador, apenas de escuta , o tal PX, e de noite ligava e ficava ouvindo conversas triviais entre taxistas. As vezes entrava um sinal da policia, aeroporto, mas muito fraco. O forte eram os táxis, tinha uma mulher motorista que todo dia corujava do táxi com outros taxistas, fazia o maior sucesso, a homarada só na cobiça, mas tudo com a maior eduçação. Eu ficava imaginando como devia ser a dona daquela voz, confesso que não fazia um belo quadro não, a voz não era das mais interessante, acredito que o resto também. Em uma das madrugadas, entrou um bebum na mesma frequência dos táxis , a voz era de bebum e o sujeito do outro lado entrava na conversa e só dizia que merda! Que merda! isso durou umas 3 horas , claro que eu não estava só fazendo isso , o PX tava ali ligado como se fosse um rádio e o tal sujeito, que merda, que merda! Essa mulher taxista pedia, por favor, se o senhor não está afim de papo, deixe a gente sossegado aqui.O cara sumia, e depois de uns minutos voltar e novamente, que merda!! Que merda!! Que merda! A taxista exaltada e gritou: Pelo amor de Deus, o senhor só sabe falar isso? O bebum na mesma hora, que bosta!! Que bosta!! Que bosta!! Creio que a madrugada toda foi assim. Depois não o vi mais por lá! Mas que valeu a risada, valeu!!!

Velha/cachorro e galo!

Uma velha mendiga, um cachorro e um galo, estranho mesmo. O galo era pelado como esse e seguia na frente a velha, o galo e o cachorro, de vez em quando o galo se virava e ameaçava o cachorro que se encolhia de medo. Pensei em tirar uma foto com o celular , mas tive receio que ela pudesse perceber e criar um barraco, imaginou! Como dizia o Lavico, tô fora!!!!! Se tivesse *velha* no jogo do bicho daria um terno de grupo.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

La Plage

No ano em que nasci , Jaques Tatit produzia o filme * Les vacances de Monsieur Hullot- Assisti ao filme no cinema nos anos 70 , hoje tenho o DVD e assisti mais algumas vezes, acho um filme maravilhoso, nostalgico. Em 2005 eu fui até a praia onde foi o rodado o filme no oeste da França e fiquei hospedado no hotel La Plage, onde tudo se passou. Em 2007 , voltei lá novamente. A cidadezinha é linda , um lugar que eu moraria por algum tempo com a maior felicidade. O astral é indescritível- Agora, é jogar na Quina, megasena e esperar a grana vir...Quem sabe!!!!

terça-feira, 14 de agosto de 2007

Liverpool/Lime Station

Adoro viajar de trem, me sinto bem vendo as estações , fotografo todas por onde passo. Essa em especial me emocionou muito, tanto na chegada , qto na partida- LIME STATION - em Liverpool - cidade onde tudo começou , onde eles, BEATLES me levaram pra música. Foi emocionante ir ao Cavern Clube , ouvir Eleanor Rigby , ouvir as gaivotas no porto. Está tudo na memória... Ah, look at all the lonely peopleAh, look at all the lonely people.....

domingo, 5 de agosto de 2007

QUE SACO!!!

Ou, que FRUTA! Que filha da fruta! Têm pessoas que deveriam ter um pouco de "SIMANCOL" No meio de uma peça de teatro uma dona de pretinho básico com seus 40 e poucos anos , óculos gatinho, come uma maça, mas ela não come disfarçadamente, abocanha a fruta como se fosse um moedor de carne- sem contar que quando respirava o seu nariz assobiava , ainda se assobiasse algo que tinha a ver com a peça! Dá próxima vez, leve maria-mole e sorine, por favor!!! ¨*@¨)@@*¨(_$&*(*()#*%_++

terça-feira, 3 de julho de 2007

Era linda

A cidade era linda, as luzes nas arvores eram lindas. A cidade, o mundo sem violência era lindo de se ver. Ver as praças da cidade enfeitadas no natal era lindo. Era 1969 - eu passava por esse caminho rumo ao trabalho. O cheiro da cidade era diferente, as ruas, as pessoas. As pessoas nas ruas pareciam se conhecer, haviam sorrisos em suas bocas. Eu andava olhando as vitrines despreocupado com a minha volta. Era um tempo, um tempo. Você viu esse tempo?
Trilha- Tommy James - Crimson and Clover

segunda-feira, 2 de julho de 2007

sábado, 30 de junho de 2007

Coincidências

Mais um caso de sorte, coincidência, ou sei lá o que! Blog é bom nessas horas, pq vc pode deixar registrado esses casos ou acontecimentos que surgem sem explicação. Explicação pode até ter , mas eu não sei dela. Bom, era maio de 1989 e dias das mães. De manhã eu iria tocar em uma cidade do interior com a Orquestra do Litoral , mas voltaria para o almoço em casa e havia me esquecido de comprar um presente para a minha mãe. Enquanto o povo não chegava para irmos ao destino eu avistei uma casa lotérica logo em frente e fui lá sapear para passar o tempo. Vendo a vitrine com bilhetes e raspadinhas (raspadinhas é uma cartão que vc raspa em uns lugares determinados, se aparecerem 3 valores iguais vc ganha o prêmio correspondente) Resolvi então comprar 10 raspadinhas para dar de presente pra minha mãe. Bom, fomos ao concerto e voltei a tempo pra almoçar. Chegando na casa de meus pais dei as raspadinhas pra minha mãe e fui tomar banho. Minutos depois no banho , minha mãe bate na porta e aos gritos diz: Ganhei!! Ganhei!! Ganhei!! Eu lá dentro debaixo do chuveiro disse, pára de gracinhas. Pensei comigo, ela tá me tirando. Bom, sai do banho e lá estava minha mãe , feliz com uma das raspadinhas nas mãos me dizendo, olha só, olha, ganhei XIS , não me lembro o valor, mas hoje seria uns R$ 3.500,00 (dinheiro que eu não teria de maneira alguma pra lhe comprar um presente com esse valor). E ela toda feliz ainda me deu uns R$ 1000,00. Parece coisa inventada, mas é a pura verdade. Como disse Fernando Sabino, não são coincidências, são verdades que estão ao seu lado, basta estar em sintonia.

sexta-feira, 29 de junho de 2007

Tempos de hoje

Um dia desses, entrando em uma farmácia fui abordado por uma moça de uns 30 anos. Toda chorosa e envergonhada. Moço: me desculpe chegar assim no senhor, é que estou desempregada, tenho até vergonha de falar. E eu: Que houve? O sr poderia me ajudar a comprar? *pausa* ela de cabeça baixa e falando mais baixo; que situação eu cheguei. É que estou precisando de modess ,estou hoje naqueles dias e não tenho dinheiro pra comprar *e chorou* Claro que eu prontamente entrei com ela na farmácia e paguei o tal absorvente. É, a situação do país e do povo tá ficando cada vez mais escura. Antigamente batiam na sua porta e diziam: O sr ou a sra têm pão velho pra me dar? Contei isso pra um amigo e ele antes de de ficar surpreso com tal acontecimento , apenas me perguntou: Ela era bonitinha? :o(

quinta-feira, 28 de junho de 2007

No lugar certo e na hora certa

O anjo da guarda te leva até lá.
Tenho um amigo , ator, iluminador, cenotécnico e com outros tantos predicados. Conheci-o estudando contrabaixo quando eu estudava violino *Newton Saiki* Temos uma amiga em comum que hoje mora nos EUA. Eu só me encontrava com o Newton no dia 18/02 , pois era aniversário dessa nossa amiga em comum. No ano de 1992 como todo ano no dia 18/02 me encontrei com ele e conversa vai, conversa vem ele me pergunta:
E o que anda fazendo?
Cansei de desenhar (eu era artista gráfico e músico hobysta)quero fazer música pra cinema.
Ah, é? E teatro?
Teatro?
É, meu irmão (Celso Saiki) está dirigindo um espetáculo que estréia logo, logo e está precisando de um músico que componha a trilha.
Ah, é?
Se quiser eu peço pra produção te ligar . A peça é O Homem que Calculava. Eu estou desenhando a luz.
Resumindo, me ligaram , compus muito rápido , a peça estreou, fui indicado como revelação no prêmio APETESP e de lá pra cá não parei mais. Graças ao Newton eu estou podendo mostrar minha música no teatro e vivendo compondo, compondo e compondo...
Trilha de hoje- Tema de Beremiz ( Malba Tahan, o Homem que Calculava

quarta-feira, 27 de junho de 2007

RINGTONES

Poucos sabem que componho músicas e toques para celulares, os famosos *RINGTONES*- Me lembro que quando eu tinha os meus 17 anos eu gostava de mudar o timbre da campainha do telefone, *TELESP* acho que eu já previa que um dia iria fazer o som da campainha dos celulares.
Claro (busque por Kalau)

Curioso






Hoje 27/06/2007- Umas 8 horas atrás eu encontrei com um amigo músico, que faz a mesma coisa que eu , é compositor de trilhas. Há muito tempo eu não o via :
E aí, tudo bem? Está fazendo o quê?
Estou compondo ali, aqui, vou entrar pro circo?
Vai fazer música pra circo?
Não, palhaço...

Hein?
E assim relatou meu amigo com seu surrado violão dentro capa.

Cara, a gente faz tanta coisa de graça pra amigos que não tem grana, eles montam trabalhos e eu vou e faço ganhando miséria, dai quando eles ganham patrocínio chamam o ??????? porque tem mais nome que eu! É foda, meu! Nunca te aconteceu isso?
Pode até ser, já fiz tanta coisa ganhando pouco.
Olha o Zeca, péra, péra , já volto....
O cara saiu correndo , sumiu sem me falar o nome do amigo...

terça-feira, 26 de junho de 2007

A música é minha vida...

Passo pelo menos 10 horas por dia junto desses equipamentos- Por mim não dormiria, tenho dó de dormir. Adoro compor, tenho sede de criar, criar, criar. Se não me policio a mente não pára...
Trilha Sonora- A Barragem/Cinema Éden

segunda-feira, 25 de junho de 2007

Vá tomar no cu!!!!!!

Pensar que o HIT do momento é : VAI TOMAR NO CU, que infestou o Youtube com inúmeras versões dessa coisa chata! Até a Eliana cantou - Eu ainda prefiro que me xinguem de VÁ TOMAR NO CU , pelo menos é muito mais criativo!
Falando em CU, isso sim é criativo- Capa de um Vinil/CD do Tom Zé.

Papo de louco.

Ainda não era tempo de Orkut. Na Net era ICQ, Chat . Eu queria fazer cinema, compôr para cinema e resolvi procurar no chat do UOL alguém que estive nesse mundo. Digitei na busca e encontrei um nick *CURTA* sem demora fui até lá e o chat foi assim:

Músico (reservadamente) fala CURTA: Vc faz cinema?
Curta (reservadamente) fala Músico: Vc é DF?
Músico (reservadamente) fala CURTA: Não, sou de SP. Vc é de BSB?
Curta (reservadamente) fala Músico: Não sou de Minas.
Jarbas(reservadamente) fala para Músico: Vc é DF?
Músico(reservadamente) fala para Jarbas : Sou de SP.
Eu estava intrigado, pq me perguntam se sou de DF . Estavam procurando pessoas de DF? E mais umas 3 pessoas me perguntaram no reservado sobre DF-(Distrito Federal)
Músico(reservadamente) fala para CURTA - Vc faz curta metragem?
Curta (reservadamente) fala Músico: Não, estudo. Vc é deficiente físico?
Dai eu desentendi- O tal Jarbas tb me perguntou se eu era deficiente. Eu fiquei pensando: será que estou digitando errado?
Músico(reservadamente) fala para CURTA: Pq vc está me perguntando se sou deficiente?
Curta (reservadamente) fala Músico: Pq vc está numa sala de DEFICIENTES. Vc é DEVOTEE, né? Pra encurtar, a CURTA usava o nick CURTA pq havia sofrido um acidente e ficado com uma perna mais curta que a outra e eu na pressa para entrar na sala de CINEMA- entrei na que é coladinha, ali do ladinho DEFICIENTES. QUE MICO!!! Mas depois me expliquei com eles, acabei ficando amigo da curta, mas ela tinha mais um problema, sofria de Dislexia e esquecia nomes, pessoas e muitas outras coisas, era triste. Perdi contato, não sei mais dela. Espero que esteja bem.


*DEVOTEE* são pessoas (homens ou mulheres, hetero ou homossexuais) que se sentem sexualmente atraídas por pessoas com deficiência.

Pôr do sol

Da minha janela ou melhor, das 3 janelas que tenho em meu apartamento, vejo a rua e vejo prédios. É nesse vão que o sol tinge o céu de alaranjado no final de tarde. Nem sempre é assim, mas quando é, dá gosto de se ver.
Trilha Sonora- Homburg Procol Harum

Licor é docinho

Contava minha mãe que, aos 3 anos tomei meu primeiro porre, se bem que eu nem imaginava o que seria um porre e foi o único da minha vida. Isso mesmo, 3 anos em uma festa junina , os tios e primos me davam golinhos de licor, quentão, vinho quente. Quando digo golinho era o equivalente a uma lambida no copo e de lambida em lambida eu fiquei bêbado, com direito a querer empinar pipa as 2 da madrugada, a pôr fogo em uma toalha de renda que cobria o altar , até a tomar café amargo. Teve até simpatia de colocar pedacinho de limão atrás da orelha. No fim de tudo minha mãe passou o maior *pito* nos irresponsáveis. Já imaginaram eu em um AA infantil? Hoje adoro um bom vinho (Casa Rivas ) boa pedida. Bebendo socialmente.
*pito* ralhete;pequena reprimenda;bronca; reprovação...

domingo, 24 de junho de 2007

Minha primeira morada

Itapira/SP - Morei nesta casa dos primeiros meses até 4 anos. Da janela da frente podia se ver o trem passando 3 vez ao dia. A vizinha do lado direito era dona Lazinha, a melhor parteira da cidade.Dona Lazinha era uma mulher baixinha, não consigo lembrar a idade dela na época que morei ali. Da mesma janela que eu via o trem passar, eu via a igreja de São Benedito, que todo mês de maio do dia 04 a 13 tem uma festa enorme, talvez a mais famosa da cidade. Era uma delicia ver a festa se formando, a roda gigante sendo montada, o carrossel, as barracas com comidas típicas, quentão, pinhão...as barracas de argola, o coreto pro leilão. Me recordo do padre com o microfone na mão leiloando ele dizia : Qto me dão por esse frango assado , oferecido pelo *fulano de tal* quanto me dão e as pessoas iam dando lance( na época eu achava que ele falava : qto bidão? Eu gostava de ver a procissão ,tinha a congada e nela havia um violinista que o apelido dele era DORADO , muito tempo depois eu entendi o apelido , ele era feio e se parecia com um peixe, se tocava bem, isso eu não sei. O ponto alto do dia 13, último dia da festa era a queima dos fogos, aquele cheiro de pólvora pelo ar, as pessoas socando o mastro. Havia um mastro com a bandeira de São Benedito ,que as pessoas socavam a terra em volta dele e fazia pedidos. Me mudei desse sobradinho, mas sempre ia até a festa todo mês de maio. No final dos anos 60 , digo 66/67/68 e eu tinha um conjunto musical, os Microns, e tocávamos nessa festa em uma das barracas - A barraca do Lopes , ela era muito famosa, correio elegante corria entre as pessoas, era muito bom recebê-lo ou enviá-lo , era uma forma de começar um namorico. Nós do conjunto éramos muito assediados, podíamos escolher a namorada , era namoro inocente a la seiva de alfazema, mas era bom. Bee Gees - Started a Joke era sucesso, F.comme femme (Beto Rockfeller na Tupi, estava no ar ) essas músicas faziam parte do nosso repertório, mas a mais pedida era Georgia on my Mind uma versão do The Uniques, até hoje é uma das minhas preferidas. Quando a festa terminava era de cortar o coração ver tudo sendo desmontado e a praça voltando ao normal, era muito triste, ficava um grande vazio. Dai voltávamos a vida da pacata cidade. Crime eu não me lembro, morei lá 16 anos, ah, lembrei houve um crime perto dessa festa, debaixo de um viaduto, onde em cima passava um trem, João Gardinho levou uma facada, uma briga de bêbados. . Na cidade tem um dos maiores Clinicas de repouso, ou seja sanatório para loucos de toda espécie, desde o que tratava depressão achando que era loucura e que acabava virando mesmo, por causa da medicação, tratamento de choque e outros. Fundação Américo Bairral, o maior da América Latina. Cheguei a ver uma vez alguns em fuga e os enfermeiros correndo atrás. A primeira coisa que eles fazian qdo fugiam era tirar toda a roupa, ficando nu, não sei explicar o motivo. A cidade tinha muita gente estranha pelas ruas, só fui entender o porque quando tinha uns 30 anos. Muitos internos recebiam alta e a família ia buscar, só que eram pessoas de poucas poses e acabavam abandonando o pseudo louco pelas ruas, dai a cidade adotava. Tinha o Jõao Sezareto que sabia todas as capitais do mundo, e ele tinha uma mania, era só chegar perto dele e fazer SHIIIIIIIIIIIIII... ela fazia PUM!! PUM!! como se fosse um rojão- Tinha outro o Pimenta malagueta que pra todo mundo ele perguntava se era parente dos Cavenaghi e sempre estendia a mão cumprimentado a pessoa e dizia : eu não mereço tanto sua amizade. Tinha o Tonho Bacateiro , era deficiente , andava meio torto, era irritado e vivia xingando as pessoas na rua, detalhe, adorava ir a enterros, não perdia um. Tinha o BARBUDO que a gente chamava-o de comunista e ele virava bicho. Tinha o que sabia o número de telefone de toda cidade. Enfim, tinha muito louco. Um dia analizamos uma rua e fomos lembrando quem morava ou quem morou nela, vou apenas citar 3 - um se suicidou com veneno de rato- outro fazia briga de galo de madrugada - e outra pintava o parapeito da janela de prateado toda a semana , vc passava a qualquer hora do dia e a Maria Bórgia , esse era o nome dela, estava ali debruçada. Nós ,meninos quando passávamos em frente fazíamos figa, pq senão ela jogava catiça na gente . Catiça, não sei de onde vem essa palavra*. Resumindo naquela rua, havia pelo menos 10 pessoas estranhas, que nós conhecíamos, sem contar as antigas...Hoje minha cidade é como as outras, violenta, sem sossego.De vez em qdo eu passo por lá pra ver amigos que até hoje conservo e sempre em outubro tem encontro de ex-alunos http://www.luanor.com.br/microns (aqui tem o meu conjunto 30 e pouco anos depois ) e o cantor ainda usando o inglês de palavras estranhas...e viva Itapira!!!!! Outubro está chegando...



Vinte e três de Junho...

Em 1985 , vinte e dois anos atrás para ser preciso, dia 07/12/1985 – Sei da data pois foi onde comecei a namorar a mulher que estou até hoje. Chegando no teatro de Cultura Artística de SP para assistir a um concerto de música erudita que era realizado todas as segundas-feiras, encontrei na porta uma pessoa conhecida , German, músico que estudava violoncello na mesma escola que eu, eu estudava violino. Nos cumprimentamos e começamos a conversar. Minutos depois surgiu mais um conhecido dele que ia tocar naquele dia, era um dos violistas da Sinfônica do Estado de nome Baldur e nós 3 fomos beber um cafezinho em um bar defronte ao teatro. Conversávamos sobre música e preferência musical, vimos que todos gostávamos dos mesmos compositores- daí o cellista pergunta pra mim : Que signo vc é, respondo : câncer e vc, ao violista, cancêr também, disse ele. Nossa, eu também sou canceriano disse , German. Nós 3 rimos na hora e eu pensava, ele disse que era de cãncer para debochar. Qual foi a supresa dos 3 – éramos todos de câncer e do mesmo dia 23/06 – os anos eram diferentes, mas imaginem 3 pessoas que mal se conheciam, todos da mesma data é muito dificil, mas aconteceu- Pena que um deles , o mais novo , German faleceu no ano seguinte...